Instituto de Pesquisa de Rondônia

GEPIAA – GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INTERDISCIPLINARES AFROAMAZÔNICOS

O GEPIAA identificou e trabalha no processo de reconhecimento de 12 comunidades de remanescentes quilombolas de Rondônia, todas localizadas no Vale do Guaporé. Parceiros: INCRA, SEDAM/RO, SEDUC/RO, FASER/RO, IPRO E ECOVALE em projetos que se dedicam à demarcação de terras de quilombos e populações negras urbanas e rurais. O Grupo trabalhou em 2004 e 2005 com populações negras urbanas de Porto Velho, realizando levantamentos preliminares na área de educação, através de parceria MEC/SECAD/UNESCO. Em 2007 realizou o I Encontro Internacional da Diáspora Africana na Amazônia. O GEPIAA orienta diversos estudantes de graduação em História,
Ciências da Saúde, Ciências Sociais e Biologia, além de mestres e doutores que orientam e trabalham com as pesquisas do Grupo. Atualmente o GEPIAA trabalha com o Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/PNCSA, da UEAM, através da Fundação Muraki, projeto de autoria e sob a responsabilidade do professor Dr. Alfredo Wagner Berno. Entre 2004 e 2012 o GEPIAA produziu dezenas de artigos sobre populações afrodescendentes de Rondônia, nas áreas de populações de remanescentes quilombolas, cultura e religiosidade, populações negras urbanas e educação. Publicou 03 livros sobre a temática afro amazônica e possui outros 03 livros em vias de publicação. O GEPIAA tem participado de atividades em parceria com instituições como a Universidade Federal do Pará/UFPA; Universidade federal do Oeste do Pará/UFOPA, Universidad Pablo Olavid de Sevilha, Universidad de Alcalá,University of the West Indies/Jamaica e Barbados, além de faculdades particulares e Grupos Diversos de Afirmação dos Direitos Humanos e Civis de Populações e Minorias. O GEPIAA atua em estudos referentes ao Ensino de História da África; História dos Afrobrasileiros; Cultura Africana e Afroamazônica, Populações Afro Amazônicas Urbanas e Rurais, Saúde e Políticas Públicas, Inserção Socioeconômica e Combate ao Racismo e a todas as formas de discriminação.

Comments are closed here.